cronologia

1866 *

  • Euclides Rodrigues da Cunha (note: sem o antenome Pimenta) nasceu a 20 de janeiro na Fazenda Saudade, Santa Rita do Rio Negro, Cantagalo, Rio de Janeiro (Brasil), permanecendo lá até completar 3 anos de idade.

1867

  • Antônio Conselheiro torna-se viajante.

1868

  • Nasce, em 9 de agosto,  Adélia Pimenta da Cunha, irmã de Euclides. Falece Eudóxia Moreira da Cunha , mãe de Euclides (3 anos).

1869

  • Falece de tuberculose Eudóxia Moreira da Cunha , mãe de Euclides (3 anos).
  • Aos 4 anos de idade, órfão de mãe, Euclides passa a ser criado pela tia Rosinda Gouveia em Teresópolis, Rio de Janeiro.

1870

  • Euclides e Adélia vivem com sua tia Rosinda Gouveia em Teresópolis.

1871

  • Após a morte de tia Rosinda, Euclides parte com seu pai para São Fidélis, passando a viver com a tia Laura Moreira Garcês na Fazenda São Joaquim, São Fidélis (Rio de Janeiro). É um dos períodos mais livres e felizes de sua vida.
  • Euclides permanece lá até 1874, quando completa 9 anos de idade.

1872

  • Euclides da Cunha aos sete anos na Fazenda São Joaquim.
  • Nascimento de Anna Emília Ribeiro de Assis, a Saninha, futura esposa de Euclides (18 jun.)

1873

  • Euclides aos 8 anos.

1874

  • Euclides aos 9 anos.

1875

  • Em São Fidélis (RJ), aos 10 anos de idade, Euclides é enviado para a cidade e inicia os primeiros estudos no Colégio Caldeira (com o professor Francisco José Caldeira da Silva). Ele permanece lá até 1879, quando completa 14 anos de idade.

1876

  • Continuam os estudos no Colégio Caldeira.

1877

  • Manuel Rodrigues Pimenta da Cunha, pai de Euclides, vai para o Rio de Janeiro. Euclides fica com seu tio, Antônio Pimenta da Cunha.

1878

  • Euclides continua seus estudos no Colégio Bahia.

1879

  • Euclides completa seus estudos primários no Colégio Caldeira.

1880

  • Euclides inicia o Curso Secundário. Frequenta os Colégios Anglo-Americano, Vitório da Costa e Menezes Dória.

1881

  • Euclides presta exame de Inglês e Aritmética.

1882

  • Euclides presta exame de Geometria.

1883

  • No exame de Latim, Euclides é reprovado em primeira época.
  • Aos 18 anos de idade, é matriculado no Colégio Aquino, onde faz exames de Geografia, Francês, Retórica e História.

1884

  • Euclides publica no Colégio Aquino os primeiros artigos no jornal O Democrata, fundado por ele e seus colegas.

1885

  • Aos 20 anos de idade, Euclides presta exames na escola Politécnica do Rio de Janeiro e é admitido.

1886

  • Em 20 de fevereiro, aos 21 anos de idade, assenta praça na Escola Militar da Praia Vermelha, sendo aluno de Benjamin Constant, conhecido positivista.

1887

  • Euclides colabora na Revista da Família Acadêmica.

1888

  • Episódio do sabre (4 nov.). Em visita às tropas, o conselheiro Tomás Coelho e o Senador Silveira Martins chocaram-se com um cadete indisciplinado de 23 anos que tentava quebrar a lâmina do sabre e, provavelmente, protestava contra o regime monárquico diante suas presenças. Euclides é levado ao médico e interrogado. O episódio causa polêmica na imprensa. O Imperador decide trancar a matrícula de Euclides.
  • Euclides colabora, com a série “A Pátria e a Dinastia”, no jornal A Província de São Paulo.

1889

  • Euclides presta exames na Escola Politécnica e é aprovado.
  • Encerrando sua colaboração n’ A Província de São Paulo em 22 de maio, escreve para a Gazeta de Notícias.
  • No dia 15 de novembro irrompe o movimento da Proclamação da República.
  • Euclides é readmitido na Escola da Praia Vermelha como alferes-aluno.

1890

  • Aos 25 anos de idade, Euclides matricula-se na Escola Superior de Guerra, atingindo o posto de segundo-tenente em abril.
  • Euclides casa-se com Anna Ribeiro, a “Saninha”, em 10 de setembro.
  • A Assembléia Constituinte inicia seu trabalho. Decreto cria a política financeira do “Encilhamento”.

1891

  • Euclides completa o curso da Escola Superior de Guerra.
  • Insurreição republicana no Porto e em Lisboa (31 jan.)
  • É promulgada a Constituição. Com a renúncia de Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto assume a presidência (23 nov.)
  • Morre Benjamin Constant.

1892

  • Euclides é promovido a primeiro-tenente de Artilharia e designado para coadjuvante de ensino teórico na Escola Militar.
  • Podendo pedir a Floriano Peixoto um cargo em qualquer esfera do governo, Euclides decide o que a lei designa para os recém-formados: estágio na Estrada de Ferro Central do Brasil.
  • Em 11 de novembro, nasce Solon Ribeiro da Cunha, filho de Euclides e Saninha

1893

  • É designado para servir na Estrada de Ferro Central do Brasil.
  • Nasce Solon, o primeiro filho de Euclides e Anna.
  • Irrompe a Revolta da Armada (6 set.). Euclides dirige as obras de fortificações das trincheiras da Saúde.

1894

  • Incidente do jornal O Tempo. Respondendo ao senador cearense João Cordeiro, que desejava penas severas aos adversários políticos, Euclides escreve duas cartas para a Gazeta de Notícias, em que defende o Estado democrático e a não violência.
  • Euclides assume diretoria de obras militares.

1895

  • Euclides é visto com desconfiança pelos legalistas. Por isso, é “exilado” para Campanha, Minas Gerais, onde constrói e inaugura a estrada de ferro. Viaja pelo interior de São Paulo como Superintendente de Obras Públicas do Estado, cargo exercido até 1903.
  • Nasce Euclides Filho, seu segundo filho de Euclides com “Saninha”.

1896

  • Euclides é reformado do Exército em julho e nomeado engenheiro-ajudante de 1ª classe da Superintendência de Obras Públicas de São Paulo. Primeira expedição contra Canudos (novembro), com cem soldados, comandada pelo Ten. Pires Ferreira.

1897

  • Euclides escreve dois artigos sob o título “A nossa Vendéia”, comparando os combatentes do Guerra de Canudos (conselheiristas) aos revoltosos da Vendéia.
  • Júlio de Mesquita, do jornal O Estado de S. Paulo, convida-o para acompanhar a campanha de Canudos como correspondente. Nomeado adido ao Estado-Maior do Ministério da Guerra, Euclides segue para Canudos, chegando em 16 de setembro.

1898

  • Euclides começa a elaborar e publicar Os Sertões no artigo “Excerto de um livro inédito”.
  • Euclides continua a trabalhar como engenheiro em São Paulo.

1899

  • Euclides começa a reconstrução da ponte de São José do Rio Pardo, onde escreve a maior parte de Os Sertões.

1900

  • Euclides termina Os Sertões em maio e a ponte sobre o rio Pardo.

1901

  • Euclides muda-se para São Carlos (interior de São Paulo).
  • Nasce, em São José do Rio Pardo, Manuel Afonso Albertina, o terceiro filho de Euclides. Manuel Afonso seria o único a deixar descendentes.

1902

  • Euclides muda-se com a família para Lorena, onde continua trabalhando como engenheiro (jan.).
  • Aos 37 anos de idade, Euclides publica Os Sertões pela Laemmert & Cia (dez.).

1903

  • Em dois meses, esgota-se a primeira edição de Os Sertões (fev.). Em julho, publica a segunda edição.
  • Falece Valentim Magalhães no Rio de Janeiro, com 44 anos (17 maio).
  • Euclides é eleito para a Academia Brasileira de Letras na vaga de Valentim Magalhães (21 set. ) e toma posse no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (20 nov.).
  • Ele pede demissão da Superintendência de Obras Públicas de São Paulo.

1904

  • Euclides é nomeado chefe de seção da Comissão de Saneamento de Santos. Percorre Santos e Guarujá. Ele pede demissão do cargo.
  • Por intermédio de amigos, Euclides (40 anos de idade) é nomeado Chefe da Comissão de Reconhecimento do Alto Purus para auxiliar no litígio de fronteira entre o Brasil e o Peru.

1905

  • Euclides parte de Manaus em 5 de abril. Após a aventura nas cabeceiras do rio Purus, ele volta a Manaus em 16 de dezembro.

1906

  • Euclides volta ao Rio de Janeiro como adido ao gabinete do Barão do Rio Branco e publica o Relatório da Comissão Mista Brasileiro-Peruana de Reconhecimento do Alto Purus.
  • Euclides toma posse na Academia Brasileira de Letras.
  • Nasce Mauro, o quarto filho de Euclides (11 jul.), que vem a falecer uma semana depois.

1907

1908

  • Incidente diplomático com Zeballos, que tenta envolver Euclides numa confusão.
  • Preparação do livro póstumo À margem da história.

1909 †

  • Euclides concorre com Farias Brito a uma cadeira de professor de Lógica no Colégio Pedro II (RJ). Por intermédio de amigos, Euclides é nomeado em julho. Permanece professor até agosto.
  • Morte trágica de Euclides em 15 de agosto, morto pelo amante de sua esposa, aos 44 anos de idade.